Informações do Município

 

pm-igreja

 

HISTÓRIA DO MUNICÍPIO

 

A origem de Pará de Minas está ligada ao deslocamento de aventureiros e bandeirantes à procura de ouro e pedras preciosas, no final do século XVII. O município surgiu com a descoberta das minas de Pitangui, local que se tornou centro de migração e riqueza na área compreendida entre os rios Paraopeba, São João e Pará.

Havia um ponto de pouso situado às margens do Ribeirão Paciência, onde muitos se fixavam, dedicando-se ao trato da terra e criação de animais. Segundo antigo relatos, entre os que permaneceram no local estava o mercador português Manoel Batista, apelidado de “ Pato Fofo”, em virtude de seu peso excessivo e de sua baixa estatura.

Manuel Batista estabeleceu-se em uma fazenda que passou a explorar, e sua fama logo alcançou outros domínios da região. A cassa onde residiu é considerada a primeira residência construída na cidade e, atualmente abriga o Museu Histórico de Pará de Minas. Em decorrência da alcunha adquirida pelo português, o lugar ficou conhecido como Patafufo, corruptelas de “Pato Fofo”.

A capela dedicada ao culto de N. S.ª da Piedade de Patafufo, foi elevada a Paróquia em 08 de abril de 1846, pela Lei provincial n.º 312, ficando subordinada á freguesia de Pitangui. Dois anos depois alterado o topônimo para Patafúfio, passou à categoria de Vila (Lei provincial n.° 386, de 09 de outubro de 1848). Em 1850 a Vila foi suprimida por não satisfazer as condições impostas pela lei anterior, consubstanciadas na construção de edifícios próprios para a Câmara e para o Conselho de Jurados e Cadeia, revertendo os territórios à sua origem (compreendia a Freguesia do mesmo nome e as de Santa Ana de São João Acima e do Morro de Mateus Leme, desmembradas aquela do município de Bom Fim e esta do Sabará e os distritos de São Gonçalo e Santo Antonio de São João Acima desmembradas do Termo de Pitangui).

A restauração ocorreu oito anos depois, pela Lei provincial n.° 882, de 08 de junho de 1858, recebendo a denominação de Vila do Pará. Também foi mudado o nome do distrito de Paróquia da Vila para o de Nossa Senhora da Piedade do Pará. A instalação verificou-se em 20 de setembro de 1859.

CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO

Distante de Belo Horizonte apenas 73 km e bem próximo das principais rodovias de acesso aos grandes eixos nacionais, o Município de Pará de Minas considerado Mesorregião Metropolitana, 3ª maior cidade do Colar Metropolitano, está localizado às margens da BR 262 e se destaca não apenas pela posição geográfica privilegiada, mas também pelo excelente nível de qualidade de vida que oferece. A cidade possui aproximadamente 89 mil habitantes, dos quais 82% residentes na zona urbana. Sua economia é sustentada diversificada com parques industriais siderúrgico, cerâmico, têxtil, de mineração, e segmentos voltados para o agronegócio, com destaque para a avicultura, suinocultura e bovinocultura.

O IDHM do Município é de 0,725, o que o coloca na faixa Alto Desenvolvimento Humano, segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Pará de Minas possui excelente infraestrutura urbana, setor de serviços bem desenvolvido, amplo atendimento na área da saúde e rede escolar, incluindo estabelecimentos voltados ao ensino superior. A FAPAM – Faculdade de Pará de Minas possui cerca de 1400 alunos matriculados nos cursos de Administração, Agronegócio, Ciências Contábeis, Direito, Enfermagem, Gestão da Tecnologia da Informação, Letras, Matemática e Pedagogia. A UNINCOR – Universidade Vale do Rio Verde possui 200 alunos matriculados nos cursos de Pedagogia, Ciências Contábeis e Gestão Ambiental.   Destaca-se no Município a forte presença do Centro de Formação Profissional Dr. Celso Charuri, gerenciado pelo SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, que atua na capacitação contínua da mão de obra técnica e qualificada, através de cursos de eletricidade, mecânica, eletrônica, pneumática, hidráulica, processos de soldagem e informática. O Colégio Técnico São Francisco de Assis também desenvolve cursos técnicos profissionalizantes nas áreas de segurança, eletrônica, informática e enfermagem com 250 alunos.

Graças a uma política pública de resgate, proteção e preservação de sua memória histórica e cultural, Pará de Minas hoje concilia o respeito a seu rico patrimônio histórico com suas características de cidade progressista, de grande potencial gerador de desenvolvimento. E é justamente essa compatibilização e harmonia entre o respeito ao passado e o enfrentamento dos desafios do futuro que exemplificam o conceito da mineiridade, tão presente na atualidade pará-minense. A valorização e o incentivo às produções artísticas e à preservação do patrimônio histórico colocam o município em destaque no cenário estadual e nacional, quando o assunto é cultura.

Com área de 551,247 quilômetros quadrados, Pará de Minas é dividida em sete distritos: Sede, Córrego do Barro, Carioca, Ascensão, Torneiros , Tavares de Minas, Bom Jesus do Pará. Os principais povoados do Município são: Trindade, Floresta, Muquém, Costas, Matinha, Mata dos Pimentas, Paivas, Bom Sucesso, Sobrado, Caetano Preto, Palmital, Meireles, Bráz Correia, Penha, Limas do Pará, Córrego das Pedras, Aparição, Guardas, Ponte de Tábua e Paraíso. Os municípios limítrofes são: Onça de Pitangui, São José da Varginha, Esmeraldas, Florestal, Mateus Leme, Itaúna, Igaratinga e Conceição do Pará. A cidade pode ser acessada também pela  BR-352 (Abaeté / Martinho Campos / Pitangui/ Pará de Minas). As Rodovias Estaduais que convergem diretamente à cidade são: MG-431 (entroncamento MG-060 (São José da Varginha)/Pará de Minas e Pará de Minas / Itaúna / Itatiaiuçu (entroncamento BR-381) e LMG-818 (acesso no entroncamento da BR-262 / Florestal / Pará de Minas).

Pará de Minas apresenta crescimento populacional ordenado, com crescimento de 2007 à 2010 acima de 4% com estimativa da população para 2013 de 89.418 habitantes.

O município possui frota de veículos automotores totalizando 49.553 unidades, representando 0,58% veículos por habitantes.

Hoje Pará de Minas é a 2ª cidade do Estado de Minas Gerais na produção de aves, seguido de Uberlândia, e a 4ª em produção de suínos, seguido de Uberlândia, Urucânia e Patos de Minas.

O agronegócio gera movimentação de aproximadamente 1,3 bilhão na economia do Município, sendo:

  • ·Suínos: R$ 160 milhões/ano
  • ·Aves: R$ 500 milhões/ano
  • ·Leite e derivados: R$ 500 milhões/ano
  • ·Carne: R$ 60 milhões/ano
  • ·Hortifrutigranjeiros: R$ 40 milhões/ano

No setor industrial, destacamos a mineração (agalmatólito), siderurgia (ferro-gusa fundições), indústrias têxteis, laticínios, cerâmicas, dentre outras. A cidade possui 4 Distritos Industriais, com área total de 403.254,00 m², com cerca de 38 empresas instaladas.

Fonte: IBGE

Fonte: João Bosco Martins Abreu – Prime Alimentos, em 18/09/2013.

Fonte: Cadastro Técnico do Município.